Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eu, Lástima

Um heterónimo que realça o lado mais cómico, crítico e lastimoso da vida de quem me decidiu criar.

Eu, Lástima

Um heterónimo que realça o lado mais cómico, crítico e lastimoso da vida de quem me decidiu criar.

Dia Internacional do que nunca deve ser deixado para trás

14.10.20, Lástima

Acho que este, pelo menos até à data, é o post mais difícil que escrevi. Não por ser um tema complexo (coisa que é) ou por eu não ter formação sobre o que vou publicar aqui (coisa que, efetivamente, não tenho). Mas, apesar da falta de conhecimento académico, tenho sentimentos e, por isso, não queria que o dia 10 de outubro fosse deixado para trás.

Esta data, para quem não conhece o seu significado, assinala o Dia Internacional da Saúde Mental. Desta forma, e por ser um tema que me é tão próximo, quis prestar a homenagem que o meu léxico permite. Esta semana não quero entreter, fazer rir ou sorrir nem queixar-me de assuntos mundanos e sem importância. Hoje quero escrever sobre algo importante e, se tiver algum dia esse poder, alertar quem leia isto a ser mais empático e compreensivo, uma vez que nunca sabemos a condição do outro.

Quando eu estava no 11.º ano, creio, foi-me apresentado um poema de Fernando Pessoa ortónimo que, de certo modo, consegue ser a metáfora perfeita para explicar algo tão raro mas tão necessário - e sim, nem em assuntos sérios eu consigo deixar de tentar dar aulas de português. "Autopsicografia". O nome é-te familiar? Pois bem, esta é a obra de um poeta que, em apenas 12 versos, fez com que eu retirasse uma das conclusões mais importantes da minha vida.

"O poeta é um fingidor. / Finge tão completamente / Que chega a fingir que é dor / A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve, / Na dor lida sentem bem, / Não as duas que ele teve, / Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda / Gira, a entreter a razão, / Esse comboio de corda / Que se chama coração." 

Poesias. Fernando Pessoa (s.d.)

Podem parecer conclusões óbvias, mas foi no momento em que li estas estrofes que tive uma epifania. Nós, realmente, temos 3 tipos de dor: a dor sentida, a dor que expressamos ao outro e a dor que o outro interpreta. E todas elas, apesar de quererem representar o mesmo, são completamente diferentes.

Deves estar a perguntar neste momento o que raio um poema de Fernando Pessoa tem a ver com saúde mental. Compreensível. E eu, numa tentativa de te responder, pergunto-te se já tinhas chegado à conclusão que cheguei com ele. Quatro versos dizem muito e, acima de tudo, mostram que nunca iremos conseguir sentir a dor do outro. Por isso, o melhor que temos a fazer é tentar. Ouvir o que quem sofre tem a dizer e tentar perceber o que sente, por muito absurdo ou exagerado ou melodramático que possa parecer. Ser empátic@. Compreender que o que para uns é indiferente, para outros é doloroso. 

Numa era em que se fala de tanta coisa, não podemos continuar a achar que um braço partido é mais urgente que uma depressão. Não podemos comparar sequer o que é um olho negro a um ataque de ansiedade. São incomparáveis. Não podemos diferenciar uma consulta num médico de clínica geral  de uma consulta de psicologia como se a segunda fosse um tabu tremendo porque ai da pessoa que queira recuperar a sua sanidade e parar de fingir que está tudo bem quando não está. Não podemos continuar a achar que alguém é inferior por querer tratar da sua mente. Não podemos permitir que se perpetue uma sociedade que olha para a sensibilidade como fraqueza. 

Muito honestamente, tenho falta de capacidade de escrita para me debruçar sobre algo tão importante quanto isto. Porém, esta não podia ser uma data para passar em branco visto que centenas (e até milhares) de pessoas sofrem em silêncio devido a todos os estigmas que colocam quem não está bem no rótulo de "louc@" ou "desequilibrad@". Não sei se as minhas palavras bastam mas, se estás a ler isto e sentes que não estás no teu melhor a nível mental, quero dizer-te que é normal. Tu não és uma espécie rara que anda sozinha neste mundo. Tens pessoas que gostam de ti e estão dispostas a ouvir-te - eu menciono já que me podes mandar mensagem só porque sim; respondo logo. Não és demente nem tens algo de errado contigo. Acredita.

tumblr_8f335c2df81756b8adc2282eaa65b377_0d2ae830_1

Eu sei que este pode não ter sido o post de que estavas à espera, mas há temas que não podem ser ignorados e a saúde mental é um deles. Se te sentires confortável, escreve em anónimo na caixa de comentários o que pensas sobre o assunto que eu estarei deste lado para te responder. Até lá!

4 comentários

Comentar post